Wado

Como uma anotação gráfica de sua música Wado rabisca ideias em pequenos cadernos. Esses rabiscos, braços pictóricos de suas canções, ganham cores e se sobrepõem ao universo do som, o que os fazem naturalmente migrar da caneta e do papel para telas, craft e para a tinta acrílica, tomando tamanho e proporção.

Wado trata de um universo particular onde a textura e as cores chapadas e em camadas remetem ao abandono de uma técnica formal, mas ressaltam sua intimidade com a arte de rua e as galerias que dialogam com esse fenômeno contemporâneo. O artista trata a pintura com referências a quadrinhos adultos, ao grafite e a Pop Art.

Speto, Delson Uchôa e Lourenço Mutarelli são alguns de seus ídolos/referências. Personas comovidas convidam à saída de uma zona de conforto. São obras que habitam uma região semi-consciente e podem incluir declarações de amor de sujeitos tatuados às suas mães, tomates transgênicos, malandros boêmios, sambistas e outras lindas esquisitices que brotam da imaginação do autor/pintor.

Wado (41) é compositor, jornalista, ilustrador e músico com dez discos lançados, tendo passado por diferentes palcos brasileiros e internacionais. Como jornalista ilustrou e escreveu matérias para o jornal Gazeta de Alagoas. Em 2015 ilustrou o livro A ilha de Laura para a Imprensa Oficial Graciliano Ramos.

No mundo da música o nome do catarinense radicado em Alagoas já é conhecido – que o digam o troféu da MTV de Melhor Música do Brasil de 2012 e os elogios colecionados nacionalmente a cada disco lançado. A individual Escamas foi premiada pelo projeto Exposiçôes Temporárias da Secult AL e Wado pretende levá-la também à São Paulo ainda este ano.